LoginLogin
12.319 relógios para "

Cartier relógios

"
Marca
Modelo
Preço
Diâmetro
Ano
Localização
Leia mais
A sua escolha

A sua escolha

A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
Informações gerais
Tipo de relógio
Referência
Leia mais ...
Novo/usado
Disponibilidade
Sexo
Estado
Leia mais ...
Âmbito de fornecimento
Propriedades e funções
Corda
Material da caixa
Leia mais ...
Mostrador
Leia mais ...
Vidro
Leia mais ...
Funções
Leia mais ...
Altura
Leia mais ...
Material besel
Leia mais ...
Números do mostrador
Impermeável
Leia mais ...
Outro
Leia mais ...
Bracelete
Material da bracelete
Leia mais ...
Largura
Leia mais ...
Cor da bracelete
Leia mais ...
Material do fecho
Leia mais ...
Cancelar

Ordenar por

Cartier Rotonde W1556051 Central Chronograph White Gold 42mm Cartier Rotonde W1556051 Central Chronograph White Gold 42mm Pronto a expedir 25.382  CH 137

Cartier – Sempre um passo à frente

Sem paralelo entre as marcas de luxo, a Cartier representa design perfeito. Com os seus relógios de pulso, há mais de 150 anos que a empresa é pioneira da arte relojoeira. Um dos primeiros relógios de piloto foi criado pelo fabricante de Paris.

Destaques da Cartier

  • Uma das marcas de luxo mais prestigiadas do mundo
  • Fabrico de relógios com calibre próprio
  • Cartier Santos: um dos primeiros relógios de piloto em todo o mundo
  • Cartier Tank: relógio de culto com caixa retangular
  • Relógios femininos e masculinos

Cartier – Pioneira da arte relojoeira

A marca francesa Cartier é conhecida pelas suas joias de qualidade, pelos seus acessórios luxuosos e elegantes relógios. O fabricante é considerado um dos pioneiros da sua arte: a Cartier foi um dos primeiros fabricantes no mundo a oferecer relógios de pulso. E isso numa época em que o relógio de bolso dominava o quotidiano da maior parte da população.
A empresa de Paris impôs novos padrões também a nível de design. No início do séc. XX, a Cartier apresentava o primeiro mostrador quadrado. O modelo Santos, desenvolvido especialmente em 1904 para o aviador brasileiro Alberto Santos Dumont, conta-se hoje entre os mais famosos relógios de pulso da Cartier. O mesmo se pode dizer do Tank, um cronógrafo quadrado disponível desde 1917. Ao longo do século, o relógio tornou-se um ícone do design. Entre as celebridades que o ostentaram no pulso contam-se Andy Warhol, Elton John, Jacques Chirac, Calvin Klein e Yves Saint Laurent. Tanto o Tank como o Santos estão disponíveis em diferentes versões, como modelos masculinos e de senhora.
Igualmente famoso é o relógio Tonneau, apresentado pela Cartier em 1906. A caixa faz lembrar um barril na vertical e as suas formas sinuosas conferem ao relógio um toque especialmente feminino. O Tortue de 1928 faz lembrar uma tartaruga. A caixa oval do Baignoire de 1957 é inspirada numa banheira, como o próprio nome francês do relógio de pulso indica.
O Ballon Bleu tem os contornos redondos de um balão. A coroa dos relógios femininos e masculinos desta linha surge engastada com cabochão em safira. Um cabochão é uma peça polida redonda ou oval de pedras semipreciosas, cujo corte proporciona uma face exterior convexa e uma parte inferior plana. Um arco de metais preciosos protege a safira.

Conselhos para compra de um relógio da Cartier

Os apreciadores de relógios de pulso particularmente sumptuosos encontram na Cartier o relógio perfeito. Se preferir caixas quadradas, sugerimos as coleções Tank e Santos. Um Santos usado em bom estado pode ser encontrado por menos de 1.000 euros. Exemplares não usados, por sua vez, estão disponíveis a partir de cerca de 3.000 euros. Com uma caixa de ouro de 18 quilates e engastados com diamantes na luneta, os cronógrafos também podem custar mais de 30.000 euros. O Santos 100, uma nova versão comemorativa do 100.º aniversário do modelo Santos, custa, usado e em muito bom estado, aproximadamente 2.500 euros. Os preços dos modelos novos começam em valores de cerca de 3.700 euros. No entanto, com turbilhão e cravejado de diamantes, o Santos 100 também pode custar mais de 200.000 euros.
O Tank possui uma caixa curva quase quadrada. Encontrará este relógios usado por cerca de 500 euros. Em estado novo, o Tank custa cerca de 2.000 euros. Nesta série, existem também exemplares que custam muito mais de 50.000 euros. Se pretender adquirir um relógio quadrado com turbilhão, conte com uma verba de cerca de 80.000 euros.
Se a caixa quadrada do Tank e do Santos não for do seu agrado, a Cartier propõe também no seu catálogo relógios de pulso com caixa redonda. O Pasha, um tributo ao paxá de Marraquexe, está disponível usado a preços que rondam os 1.400 euros. Os preços dos relógios Pasha não usados começam nos 2.500 euros. Os exemplares novos em ouro, com mostrador esqueletizado e diamantes, custam mais de 100.000 euros.
O preço de um Ballon Bleu em estado novo começa na casa dos 3.000 euros. Por se tratar de uma linha mais recente, quase não existem relógios usados no mercado. Os exemplares usados encontram-se na mesma faixa de preços, e estão frequentemente em muito bom estado.

Cartier Tank – Relógio de culto há cerca de 100 anos

A Cartier criou o Tank em 1917, em plena Primeira Guerra Mundial. Foi durante esta guerra que as forças britânicas usaram pela primeira vez os chamados tanks, ou seja, carros blindados. O design deste relógio retangular inspira-se precisamente nos tanques de combate, e as suas linhas fazem lembrar as suas lagartas. Uma característica do Tank passava também pelas asas integradas, na caixa. A correia integrava-se na perfeição no Tank, sem deixar espaços. O primeiro protótipo do relógio foi apresentado pela Cartier ao americano General John J. Pershing e seria em 1919 que o relógio chegaria ao mercado. O design recolheu amplo apoio por parte da clientela menos convencional da Cartier. O Tank está disponível em versões masculinas e femininas.

Características do Tank da Cartier

  • Relógio de pulso retangular para homem e senhora
  • Desenhado em 1917
  • Design inspirado nas lagartas dos tanques de combate
  • Asas integradas na caixa

Cartier Santos – o relógio dos pilotos

O Cartier Santos existe desde 1904. A marca parisiense concebeu este relógio de pulso especialmente para o famoso aviador brasileiro Alberto Santos Dumont. Em 1906, Dumont foi o primeiro a realizar um voo num avião impulsionado por motor. Durante este voo recorde, o aviador levou no pulso o relógio que Cartier concebera especialmente para ele, com o qual podia manter ambas as mãos no volante, ao mesmo tempo que consultava as horas. O Cartier Santos é considerado um dos primeiros relógios de piloto na história da relojoaria. A partir de 1911, o relógio passou a ser comercializado ao público. Com o Santos, os homens passaram também a usar relógios de pulso, que até então eram uma peça universo feminino.

Características do Cartier Santos

  • Desenvolvido em 1904 para o aviador Alberto Santos Dumont
  • Um dos primeiros relógios de piloto do mundo
  • O Santos tornou o relógio de pulso socialmente aceitável para o homem

Cartier Pasha – relógio redondo com tampa de proteção

No início da década de 30, o Paxá de Marraquexe encomendou um relógio de pulso estanque para poder usar no banho. O resultado foi um relógio retangular com um sistema de bloqueio para a corda manual. Porém, o formato da sua caixa fazia com que a estanquidade destes relógios fosse limitada a um intervalo de tempo. Uma caixa redonda, por seu lado, é muito mais simples de isolar. Por isso, no início dos anos 40, a Cartier criou um relógio de ouro com fundo aparafusado e asas centradas. O detalhe mais extraordinário do novo relógio era que a coroa possuía uma tampa metálica de proteção. Para acertar o relógio, bastava desapertar este fecho. Uma vez que a tampa de proteção estava fixada com um anel à caixa, não se podia perder. A grelha de metal sobre o vidro do relógio fazia lembrar os relógios militares da época da Primeira Guerra Mundial. Na verdade, pode ser um mito que a Cartier tenha criado este relógio a pedido do Paxá de Marraquexe, já que foi só em 1985 que a produção da série adquiriu o seu nome atual, mas é um facto que o Paxá de Marraquexe foi um dos mais importantes amantes da marca do seu tempo.

Cartier – a joalharia da realeza

A marca francesa de joalharia e relojoaria Cartier conta com mais de 160 anos de história, tradição e experiência. Foi em 1847 que Louis-François Cartier assumiu, com apenas 28 anos, a joelharia parisiense do seu mestre Adolphe Picard. O jovem Cartier estabeleceu-se rapidamente em Paris. O seu sucesso deveu-se especialmente ao sentido que havia desenvolvido pelo gosto dos seus clientes.
Em 1874, o seu filho Alfred começou a trabalhar na empresa, expandindo o departamento de relógios. O seu objetivo passava por fabricar os próprios relógios Cartier de mesa e de parede, para colares e para usar no pulso. Em 1888, surgiram os primeiros relógios de senhora engastados com diamantes nas vitrines da Cartier, tornando-se a marca pioneira no setor de relógios de pulso. Perto do final do séc. XIX, os relógios de pulso ainda eram a regra e foi em 1893 que a empresa encomendou os primeiros relógios à Vacheron Constantin. Inicialmente, estes progressistas relógios de pulso não foram um êxito de vendas, dada a moda que imperava na época. Só quando as mangas compridas e as luvas de senhora começaram a deixar de se usar é que o pulso descoberto se transformou no cenário perfeito para um relógio.
Louis Joseph, filho de Alfred e sobrinho de Louis-François Cartier, casou-se em 1898 com Andrée-Caroline Worth, herdeira do maior atelier de moda de Paris, que contribuiu com know-how de luxo e uma abrangente carteira de clientes. Apenas um ano mais tarde, transferiram a loja para a conhecida Rue de la Paix, que vestia pessoas de todo o mundo. Posteriormente, Louis Joseph orientou a empresa para um mercado internacional. Celebrando um contrato com o fabricante francês de relógios Edmond Jaeger, a Cartier passou a oferecer novos relógios extravagantes para senhora. No ano de 1904, Louis e o seu irmão Pierre viajariam para a Rússia em busca de inspiração e, pouco depois, ganhavam a família imperial russa e a aristocracia russa como clientes. Também em Inglaterra, Cartier gozou de enorme sucesso. Por isso, em 1909, a empresa abriu a sua própria boutique na New Bond Street de Londres. Do outro lado do canal da Mancha, Cartier acabaria por fazer chegar as suas criações relojoeiras até aos influentes príncipes do subcontinente indiano.
As preciosidades da Cartier eram procuradas pela realeza e pela nobreza de todo o mundo. A joelharia estabelecera-se como fornecedor oficial das maiores casas reais. Sobretudo diademas ornamentados e engastados com pedras preciosas decoravam cabeças de rainhas e princesas. Entre elas contavam-se a Grã-duquesa Maria Pavlovna da Rússia, a rainha Elisabeth da Bélgica e a Rainha Victoria Eugénia de Espanha. Esta foi uma das razões para o Príncipe de Gales e, mais tarde, o Rei Eduardo VII terem chamado à empresa de Paris a "Joalharia dos Reis e Rainha das Joalharias", algo que continua a ser verdade até aos dias de hoje. De facto, também a Duquesa de Cambridge, Catherine Middleton, usou uma tiara da Cartier no seu casamento com o Príncipe William, que fora usada anteriormente pela Rainha Isabel e pela Princesa Margarida.
Com a morte de Louis Cartier, no ano 1942, a empresa desintegrou-se em três divisões: Cartier Paris, Cartier London e Cartier New York. Só no final dos anos 70 é que todas as sociedades de investimento foram reunidas na Cartier Monde SA. Atualmente, a Cartier pertence ao Grupo Richemont, ao qual também pertencem fabricantes como a Vacheron Constantin, Jaeger-LeCoultre e A. Lange & Söhne.

Destaques históricos da Cartier

  • 1847: Louis-François Cartier funda a empresa
  • 1888: os primeiros relógios de pulso são incluídos no catálogo de produtos
  • 1904: desenvolvimento do Santos
  • 1917: desenvolvimento do Tank
  • 1931: apresentação de relógios de pulso estanques
  • 1985: produção em série do Pasha
  • 2007: lançamento do Ballon Bleu
  • 2010: primeiro calibre de manufatura próprio