LoginLogin
Marca
Modelo
Preço
Diâmetro
Ano
Localização
Leia mais
A sua escolha

A sua escolha

A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
Informações gerais
Tipo de relógio
Referência
Leia mais ...
Novo/usado
Disponibilidade
Sexo
Estado
Leia mais ...
Âmbito de fornecimento
Propriedades e funções
Corda
Material da caixa
Leia mais ...
Mostrador
Leia mais ...
Vidro
Leia mais ...
Funções
Leia mais ...
Altura
Leia mais ...
Material besel
Leia mais ...
Números do mostrador
Impermeável
Leia mais ...
Outro
Leia mais ...
Bracelete
Material da bracelete
Leia mais ...
Largura
Leia mais ...
Cor da bracelete
Leia mais ...
Material do fecho
Leia mais ...
Cancelar

Ordenar por

Rolex GMT Master II 2015 116710LN Rolex GMT Master II 2015 116710LN 6.236  CH 15 2005

Relógios de piloto: funcionalidade para as mais elevadas exigências

Os relógios de piloto são instrumentos de precisão e, simultaneamente, acessórios sofisticados. Concebidos para pilotos, atualmente são um tipo de relógio muito apreciado. A Breitling e a IWC são as principais marcas especializadas em relógios de piloto.

Destaques dos relógios de piloto

  • Principais marcas: IWC, Breitling, Tutima, Fortis
  • IWC Mark XI: design típico de relógio de aviação
  • Relógios de piloto com preços abaixo dos 1.000 euros
  • Breitling Navitimer com função cronográfica e régua de cálculo
  • Cartier Santos: o primeiro relógio de piloto da história

Dentro do cockpit

Os relógios de piloto sempre estiveram ligados à aviação, cujas necessidades específicas influenciaram fortemente a sua evolução e funcionalidade. Muitos relógios de piloto são dotados, por exemplo, de uma função cronográfica que permite medir intervalos de tempo. O termo "relógio de piloto", contudo, não tem uma definição concreta. Geralmente, este tipo de relógio é maior e apresenta elementos estéticos distintos: mostrador preto e índices/algarismos brancos. Outra definição ressalta a importância de determinadas características técnicas, como uma elevada legibilidade tanto de dia como de noite, ou a robustez e a resistência a choques.
Antigamente, os relógios de piloto não tinham de obedecer a normas próprias, tal como as que foram criadas para os relógios de mergulho com a norma ISO 6425. Em 2012, porém, o proprietário da marca alemã Sinn Spezialuhren desenvolveu a primeira certificação para relógios de piloto em colaboração com a Airbus Helicopters e a Universidade de Ciências Aplicadas de Aachen, criando o TESTAF (Technischen Standard Fliegeruhren). A norma alemã DIN 8330, criada em 2016, estabelece assim os parâmetros técnicos a que devem obedecer os relógios de piloto. Entre estes conta-se a capacidade de substituir os instrumentos de bordo do avião em caso de avaria. A marca alemã Sinn foi a primeira a integrar no seu catálogo relógios de piloto certificados pelo TESTAF.
As mais famosas marcas relojoeiras especializadas em relógios de piloto são a Breitling e a IWC. O IWC Mark XI tem um design típico de relógio de piloto e é também um dos mais conhecidos e imitados. Trata-se de um instrumento que se distingue pelo seu perfil sóbrio e elegante, com um mostrador preto, índices e algarismos sobredimensionados, assim como o característico triângulo luminescente às 12 horas. Este relógio mecânico de corda manual fez história ao ser posto à prova pelas Forças Aéreas de todo o mundo.
O mais famoso modelo da Breitling é o Navitimer. Como instrumento para a navegação aérea, este cronógrafo apresenta uma régua de cálculo circular que permite ao piloto realizar uma série de cálculos: velocidade de voo, tempos de voo, taxa de subida ou descida, consumo de combustível, bem como converter unidades de medida.

Conselhos para a compra de um relógio de piloto

Se deseja adquirir um relógio de piloto, existem inúmeras opções de diversas marcas no mercado. Com esta variada oferta, é extremamente fácil encontrar o relógio perfeito para todos os gostos e carteiras. A Breitling tem diversos modelos a preços bastante acessíveis, abaixo da barreira dos 1.000 euros. O Breitling Aerospace apresenta as características garras posicionadas às 3, 6, 9 e 12 horas na luneta. No seu interior bate um calibre de quartzo altamente preciso. Este relógio custa cerca de 800 euros, em segunda mão. Um Breitling Chronomat usado também custa menos de 1.000 euros no mercado de relógios usados.
Poderá encontrar uma vasta seleção de modelos da Breitling entre os 1.000 e os 2.500 euros. A marca francesa Bell & Ross também oferece modelos neste segmento de preços. Já os cronógrafos de piloto da IWC custam cerca de 2.000 euros, no caso de um exemplar usado. Tratando-se de um exemplar em excelente estado de conservação, o preço pode ultrapassar os 2.500 euros. Os modelos essenciais de três ponteiros têm um preço ligeiramente mais acessível.
O modelo 857 UTC da marca germânica Sinn está disponível com ou sem certificado TESTAF, sendo que o preço de ambas as versões não difere muito. No caso de se tratar de um relógio novo, o preço ronda aproximadamente os 1.900 euros. O cronógrafo Sinn 103 Ti TESTAF custa, em segunda mão, cerca de 2.300 euros. Tratando-se de um cronógrafo novo com função GMT, o preço ascende para os 2.800 euros.
Na categoria de preço até aos 10.000 euros, encontra relógios como o GMT Master da Rolex. A manufactura suíça desenvolveu este relógio com função GMT especificamente para as exigências dos pilotos comerciais. O modelo original foi desenvolvido no início da década de 1950 para a companhia aérea Pan American World Airways (Pan-Am).

A história dos relógios de piloto

O primeiro relógio concebido especificamente para um piloto data de 1904 e foi criado pela Cartier. Trata-se do modelo Cartier Santos, que Louis Cartier desenhou para o famoso pioneiro da aviação, o brasileiro Alberto Santos Dumont. Este emblemático relógio apresentava uma caixa quadrada, algarismos romanos e uma correia de pele. Dois anos depois, Dumont realizava o primeiro voo num avião com motor a gasolina, levando no pulso o relógio para ele concebido, que lhe permitia ler o tempo com as duas mãos no volante.
As origens dos relógios de piloto atuais remontam à época em que se utilizavam relógios de bolso como auxiliares ao cronómetro marítimo para a navegação marítima – os chamados relógios de navegação, construídos segundo o princípio inventado por Christiaan Huygens e o relojoeiro Salomon Coster, e que já então apresentavam um aspeto puramente funcional. Assim, os navegadores determinavam a hora local com o relógio de bolso, comparavam-na com a hora do cronómetro marítimo, depois subiam ao deque e, com a ajuda do sextante, determinavam a posição geográfica da embarcação. Apesar de serem dotados de um mecanismo altamente preciso, as diferenças de temperatura, a humidade e o constante balanço afetavam negativamente a sua marcha.
Por se encontrar fixo numa caixa com um sistema cardã que o protegia dos balanços da ondulação e o mantinha na posição horizontal, o cronómetro marítimo era bastante mais fiável. Este instrumento tornou-se indispensável à navegação em alto-mar, dado que permitia determinar com o máximo rigor possível a posição geográfica da embarcação.
No início do século XX, com o desenvolvimento da aeronáutica, a força aérea recorreu a este tipo de relógio, complementando-o com uma correia em pele comprida com dois rebites para que o relógio pudesse ser usado por cima do fato de piloto. Uma característica destes relógios era a grande coroa para que o relógio pudesse ser acertado mesmo com luvas.
Com o passar dos anos, os relógios de aviação evoluíram, adquirindo as características distintas atuais. O mostrador preto e os índices amarelos estabeleceram-se como elementos típicos por oferecerem uma perfeita legibilidade tanto de dia como de noite. Durante muitos anos, o material luminescente utilizado para revestir os ponteiros e os índices foi o trítio, um material radioativo, que mais tarde foi substituído pela SuperLuminova.
A maioria dos relógios de piloto dispunha já então de uma função de stop-seconds que permitia o ajuste rápido e preciso da hora, facilitando uma navegação fiável. A A. Lange & Söhne é uma das marcas germânicas mais conhecidas pelos seus relógios de piloto. Esta manufactura, situada em Glashütte, produziu relógios para equipar os pilotos militares durante a Segunda Guerra mundial. Atualmente, estas são peças raras e muito difíceis de encontrar no mercado. Os cronógrafos de piloto das marcas alemãs Tutima e Junghans desta época são também bastante raros. No total, existirão apenas cerca de 300-400 relógios das décadas de 1930 e 1940 e o seu preço ascende aos 30.000 euros.

Momentos marcantes na história dos relógios de piloto

  • A origem dos relógios de piloto remonta aos relógios de observação marítima
  • Os primeiros relógios de piloto apresentavam uma correia em pele comprida com dois rebites para que o relógio pudesse ser usado por cima do fato de piloto
  • O Cartier Santos foi o primeiro relógio de piloto da história
  • A marca relojoeira alemã A. Lange & Söhne foi um dos principais fabricantes de relógios de piloto alemães

IWC Mark XI – um relógio de piloto de culto

Um dos mais clássicos relógios de piloto é o IWC Mark XI. Este relógio foi lançado pela primeira vez no final da década de 1940 pela manufactura suíça IWC. O Mark XI era uma versão mais pequena do Mark X e, durante mais de 30 anos, foi o relógio oficial de inúmeras forças aéreas de todo o mundo. Este relógio de corda manual e estética simples não possuía função cronográfica. Por isso, foi comercializado a um preço relativamente acessível, custando cerca de 350 francos suíços. Atualmente, o seu preço ronda os 5.000-9.000 euros. Este modelo lendário distingue-se por apresentar um mostrador preto, índices em tons claros luminescentes, bem como o característico triângulo às 12 horas. Hoje em dia, marcas como a Fortis fabricam relógios com este mesmo estilo sóbrio.

A nova norma para relógios de piloto: DIN 8330

Em 2016, a marca relojoeira alemã Sinn Spezialuhren, em colaboração com a Faculdade de Tecnologia Aeroespacial da Universidade de Ciências Aplicadas de Aachen, iniciou o processo de desenvolvimento de uma nova certificação para relógios de piloto: a certificação TESTAF, abreviatura alemã de "Technischer Standard Fliegeruhren" (Padrões Técnicos para Relógios de Piloto). O projeto ficou concluído em 2012 tendo sido apresentado na sede da Airbus Helicopters. Em 2016, o Instituto Alemão de Normalização (DIN) introduziu finalmente uma norma própria sob a qual se devem reger este tipo específico de relógios: a DIN 8330, cujos critérios assentam na certificação TESTAF. De acordo com esta norma germânica, os relógios de piloto devem ser capazes de substituir os instrumentos de bordo de uma aeronave. Além disso, têm de ser compatíveis com os instrumentos de voo, não podem constituir nenhum perigo para a aeronave e a sua tripulação, e têm de ser capazes de resistir aos efeitos das variações de pressão decorrentes do voo.
A norma DIN 8330 diferencia entre as regras de voo visual (VFR - visual flight rules) e as regras de voo por instrumentos (IFR - instrument flight rules). Os relógios certificados de acordo com as regras IFR devem ser dotados de uma função cronográfica. Os relógios certificados de acordo com a VFR devem possuir um contador de 12 horas bem como um de 60 minutos. O ponteiro central dos segundos deve dispor de um mecanismo para ser parado com exatidão. Além disso, a norma exige que o relógio possua uma luneta giratória bidirecional com escala de minutos. O mostrador não deve medir menos de 27 mm e deve ser preto mate, tal como o fundo da escala. O relógio deve apresentar uma excelente legibilidade, tanto de dia como de noite, pelo que os índices, os ponteiros centrais e o triângulo das 12 horas devem ser revestidos a massa luminescente. Esta deve emitir uma luminosidade constante com uma duração mínima de três horas.
A norma DIN 8330 estipula ainda que os relógios de piloto e todas as suas funções devem funcionar perfeitamente em temperaturas que oscilem entre os -15 °C e os +55 °C. Deverão ainda ser sujeitos a um teste de impacto de uma queda de 1 metro sobre um chão de madeira para demonstrar a sua resistência aos choques. O teste inclui ainda requisitos de estanqueidade, precisão, resistência aos campos magnéticos, entre outros. Após os testes, e para obter a certificação, o relógio deverá estar a funcionar na perfeição e não apresentar danos exteriores.